Total de visualizações de página

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Perseguição

– Quanto mais vamos andar? – perguntou Zé, e notou que já estavam próximos do Shopping Curitiba.
– Calma, são só mais algumas quadras. – explicou Érica.
– Algumas quadras? Isso foi o que andamos até agora. Não tem um ônibus que chegue lá, a Agência não te deu um carro, não?
Érica riu e olhou para o lado, ao fazer isso notou que alguns indivíduos os estavam encarando de dentro da Praça Oswaldo Cruz, que ficava em frente ao shopping. Com isso sua mente e habilidades de espiã se aguçaram. Ela olhou para trás e no mesmo momento um homem olhou para cima e começou a assobiar.
Do outro lado da rua e do lado de fora da praça, mais três homens  seguiam na direção dos dois amigos. Eles precisavam atravessar o cruzamento para chegar ao seu destino, mas a mão única da rua em questão ia na direção deles. A rua em que estavam também tinha apenas um sentido e era o mesmo em que eles caminhavam.
Quando se aproximavam da esquina, Érica olhou para o semáforo, estava no amarelo. Ela olhou novamente para os seus seguidores para se certificar do número e da distância em que estavam. Sete do outro lado da rua, dentro e fora da praça e um atrás deles, na mesma quadra. Ela pegou na mão de Zé.
– Ei, o que você ta fazendo? – estranhou o rapaz.
– Eu espero que inteligência não seja sua única qualidade. – ele fez uma expressão confusa, ela conferiu o sinal e gritou. – Vamos!
– Você ta louca, guria? – gritou Zé, sendo puxado pra atravessar a rua quando todos os carros vinham vindo.
Vendo isso, os homens não puderam fazer nada a não ser esperar o sinal fechar. O que estava sozinho atravessou a rua e se juntou aos outros sete. Já na outra quadra, Zé parou e exigiu uma explicação.
– Ta vendo aqueles oito homens ali? – ela disse e apontou para os caras que esperavam o sinal fechar. – Eles estão atrás de nós ou só de mim, não sei, mas eles não são de brincadeira e não consigo lutar contra todos eles sozinha. – ela disse e Zé levantou uma sobrancelha. – Sua inteligência não vai servir de nada, Zé, se eles nos pegarem.
– Então, não vamos deixar isso acontecer. – ele disse e olhou para o shopping em frente eles.


– No que está pensando? – ela quis saber.
– Você já salvou minha vida duas vezes hoje, ta na hora de eu começar a retribuir. Só me segue. – ele disse e os dois entraram no Shopping Curitiba.
Nesse momento o semáforo fechou e os oito homens atravessaram. Zé andava apressado e acompanhado por Érica, chegou aos elevadores e foi até o último andar, onde ficava a praça de alimentação e as salas de cinema.
– Zé, pra onde estamos indo?
– Você já vai ver. Não se aproxime da beirada. – ele disse quando atravessavam a ligação entre os dois lados do shopping no último andar.
Um pouco antes de chegarem a bilheteria do cinema, o rapaz perguntou.
– Tem algum filme que ta em cartaz, que você queira ver?
– Então esse é o seu plano? Nos esconder no cinema?
– Claro, é perfeito. Mesmo que eles queiram, não vão poder entrar lá e impossível eles não desistirem em duas horas. A gente ainda aproveita e vê um filme. – Zé explicou e sorriu.
Érica se viu obrigada a aceitar e admirar a simplicidade e genialidade da ideia de Zé.
– Muito bem então. Vamos ver Gigantes de Aço. – ela disse.
– Boa pedida, garota. – ele concordou, comprou os ingressos e os dois entraram na sala.
– Devo admitir que você mandou bem, Zé. – ela disse, já dentro da sala.
– Eu não sou um zé mané o tempo todo. – ele observou.
– É, eu to começando a perceber isso. – ela concordou e eles viram o filme tranquilamente.
 ....................................................................................................................

– Hã... Sr. Beckert, nós perdemos os alvos. Eles entraram no shopping e não conseguimos encontrá-los. – disse um dos perseguidores pelo telefone.
               – Então anota aí o endereço da casa dele, porque vocês vão fazer uma visitinha para os pais dele hoje. – avisou Beckert.

4 comentários :

  1. Boa Zé! Hahaha
    Simples e eficiente! Fora que a Érica mandou bem mesmo na escolha do filme hahahaha

    Abração!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que medo... Fico em dúvida entre quem são os vilões e quem são os mocinhos. Você está sabendo confundir bem a minha cabeça. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    O shopping Curitiba é lindo! Tem um estilo colonial incrível!

    Aqui em Recife, um shopping no mesmo estilo se chama "Paço Alfandega", super elitizado ($$$$$), com um terraço que permite ver boa parte do Recife.

    Ah, Ricky, nem é que eu não fui com a cara de Paty, mas é o arzinho fútil da personagem que me dá "nojinho" dela. kkkkkkkkkkkkk Espero mesmo que ela me surpreenda.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Adoro essa esperteza do Zé... hahaha

    ResponderExcluir
  4. Putz, botaram os pais no meio.
    Isto é sacanagem. Não sabem perder. rss

    ResponderExcluir