Total de visualizações de página

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A tal da Oktoberfest - parte 1

Introdução

Olá, caros leitores, hoje terá início um novo tipo de conto nesse blog, o conto baseado em algo vivido por mim, Ricky Oz. Farei algo já utilizado em vários filmes, começarei o conto pelo final e contarei desde o começo. Não se preocupe, você não vai se perder. Como é uma história real com pessoas reais como personagens, usarei nomes diferentes para preservar suas identidades. Então lembre-se: história e personagens reais, nomes fictícios.

1 - Chopp e Stress

Abri os olhos e vi que já estávamos em Curitiba, próximos ao mesmo local de onde saímos quase 24h atrás. Incrível como a volta foi mais rápida. Mais uma vez, a instabilidade do clima de Curitiba mostrou-se forte com uma chuva totalmente inesperada na manhã seguinte de um dia ensolarado. Desci do ônibus e, como estava sem guarda-chuva, me molhei. Corri até uma banca próxima, onde estava parte do pessoal que já havia descido. Despedi-me dos meus novos amigos e segui meu caminho. Enquanto tomava um banho de chuva, comecei, como costumo fazer, a lembrar de como tudo aquilo tinha iniciado e porque eu estava numa manhã chuvosa de domingo em um lugar diferente da minha cama.

Há alguns meses atrás, em um desses grupos de amigos do facebook, do qual eu fazia parte, apareceu uma guria chamando a galera pra ir fazer um excursão para a Oktoberfest 2011. Eu pensei: "Ah, Oktoberfest, porque não?" Até então eu nunca tinha cogitado em ir, mas como surgiu a oportunidade, resolvi aproveitar. E quem era essa guria que convidou? Eu a conhecia? Não, nem ela, nem ninguém que foi. A única coisa que sabia era que o nome dela era MacNa (lembre-se nomes fictícios). Adicionei-a no msn e no facebook. Mantivemos contato até que o grande, e tão esperado, dia chegou.

MacNa, com ajuda de Tex, organizou a excursão, contratou a empresa, comparou valores e recebeu do pessoal. A empresa que nos levou até Blumenau foi a Viação Catarinense, a nossa organizadora não podia saber, mas aquela companhia ainda ia nos dar muito stress durante a viagem. Aliás, o stress surgiu antes mesmo de sairmos de Curitiba, o horário de saída tinha sido combinado às 13h, mas o ônibus só saiu do lugar depois das 14h. É claro que, sem ter o que fazer, impaciente e morrendo de calor, a galera começou a beber os 100L de chopp que foi colocado no fundo do ônibus, que coincidentemente era onde eu estava sentado.


Propositalmente? Não. Simplesmente aconteceu. Como fui um dos últimos a entrar, só podia escolher entre o fundo e a frente, pois o meio já estava cheio. Então pensei: "atrás do motorista ou na frente do chopp?" Não foi muito difícil decidir. Tex estava sentado no fundo também, mas não foi do lado dele que eu sentei, ele estava do outro lado do corredor e ao seu lado estava Folklor, um nome que foi bem comum no ônibus. Ao meu lado sentou Hans, um descendente de alemão, moreno e de olho azul. Com esses 3, o pessoal que estava nas poltronas mais próximas e a galera que vinha pegar chopp, eu dei muitas risadas e me diverti bastante.

Quando algo que você normalmente tem que pagar para consumir é de graça, você tende a exagerar e não foi diferente comigo e o chopp. Duas horas de viagem e várias canecas de chopp depois, eu já estava mais pra lá do que pra cá, mas a parada veio para me ajudar. Devido a experiências anteriores e dicas de amigos, eu já sabia exatamente o que fazer para me recuperar. Um salgado, uma caixinha de nescau e 4 barrinhas de chocolate foram o suficiente para me deixar sóbrio de novo, pronto para o resto da viagem, pronto para a Oktoberfest.

Antes de prosseguirmos, houve o segundo stress da viagem. O motorista ficou jantando por quase uma hora, algumas pessoas não receberam caneca e outras coisinhas que não vem ao caso do presente relato. O fato é que depois de mais de uma hora parado, o ônibus seguiu rumo à Blumenau. O resto da viagem foi mais cansativa, começou a escurecer e todo mundo tava ansioso para chegar. Vou pular essa parte pois nada de relevante aconteceu. Quando finalmente chegamos na cidade de destino, notamos a chuva. Mas não era um problema, uma vez ali, não seria uma chuvinha que iria nos atrapalhar. Depois de mais um stress pra pegar os ingressos com o "guia" da viagem, entramos, após meses de planejamento e horas de viagens, no Parque Vila Germânica.

Aqui acaba a parte 1, eu sei que eu cortei bem quando ia ficar bom, mas certas coisas eu não podia deixar de falar, e se eu falar mais vai ficar grande demais esse post, então aguardem. Eu prometo que vai ser bom.
;D

4 comentários :

  1. antes ja tive vontade de conhecer esta festa, hj em dia nem um poquinho de desejo.

    http://paulosergioembuscadotempoperdido.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Muito legAL!
    VAI UMA CERVEJINHA AI!!!!!
    ESTOU SEGUINDO!
    ECOLOGIAEVIVERSORRINDO.BLOGSPOT.COM

    ResponderExcluir
  3. Eu gostaria de ir, mas não pelo chopp, sim para ter minha opinião própria mesmo e também para fazer compras, porque sempre tem as banquinhas! (:
    Seguindo, beijos

    Participe do nosso primeiro sorteio.
    http://apaixonadasporcosmeticos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. A partir de R$ 49,90 por mês, tenha o site da sua empresa, incluindo hospedagem, domínio, manutenção e anúncio. Nós nos preocupamos com tudo!

    http://www.popcomunicacoes.com.br

    ResponderExcluir