Total de visualizações de página

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

A Arte De Roubar T04C07

CONTATO

Ao abrir a porta, Joel recebeu um abraço inesperado.
― E aí, primo! Há quanto tempo! – o homem disse e o apertou forte, deixando seus rostos colados e a boca de um bem próximo ao ouvido do outro. – Seus amigos me mandaram aqui, finja que sou seu primo e me deixe entrar. Achamos que pode ter escutas na sua casa e além disso, tem o zóiudo ali do outro lado da rua. – o homem sussurrou e Joel confirmou o que já suspeitava, estava sendo vigiado.
― Tempo mesmo! – o ladrão disse abrindo um largo sorriso. – Entra aí, temos muito para conversar. – disse e deixou o visitante entrar.
Joel serviu bebida aos dois e eles sentaram para conversar.
― Trouxe um presente para você. – o falso primo disse e entregou uma grande Bíblia para Joel.
― Oh, muito obrigado, primo! Estou mesmo precisando melhorar o meu lado espiritual. – o ladrão disse e abriu o livro.
Todas as páginas estavam com um grande retângulo em seu meio. Para preencher esse vazio, havia um tablet. Joel clicou em um botão e a tela se iluminou, mostrando um grande arquivo de texto.
“Oi, Joel, aqui é o Léo, tudo bem? Antes de começarmos, agradeça ao Oliver por ter ido aí te entregar esse presente, sem ele não teríamos como nos comunicar de modo seguro.”
― Obrigado, Oliver. Muito gentil da sua parte. – Joel agradeceu.
― Não foi nada. Mas infelizmente não poderei ficar muito tempo. – o primo se levantou. – Vamos marcar de ir beber uma cerveja um dia desses.
― Com certeza! – Joel concordou e levantou para acompanhar o visitante até a porta.
Após a despedida, o ladrão voltou para dentro de casa para ler a ‘Bíblia’ que acabara de ganhar.
“Bom, primeiro, o pessoal e eu queremos agradecer pelo que você fez na última operação. Não fosse você, estaríamos todos presos agora. Por causa disso, não deixaremos que seu sacrifício tenha sido em vão. Além de objetos de valor, a Taís também pegou vários papéis dos escritórios do prédio do Barton.
“Ela disse que tem um que pode limpar sua barra e sujar a dele, mas ainda estamos vendo isso. Você deve estar se perguntando onde estamos. Bom, quero deixar bem claro que fui contra isso, mas estamos na Vila Zumbi, sob a proteção do Polaco Azedo. O Oliver é um dos homens dele, que aceitou nos ajudar a te entregar esse tablet.
“Recarregue-o de noite e verifique sempre durante o dia e não esqueça de folhear as páginas, para parecer que você está lendo um livro de verdade. É só isso por enquanto. Se quiser nos responder, certifique-se de que não está sendo visto. Cuide-se, Joel.”
Joel fechou a Bíblia e sorriu.


Lívia foi obrigada a aceitar o chá de camomila oferecido por Dona Roseli, mãe de Mayara, mulher de Joel. O filho do casal estava brincando no chão da sala enquanto as duas mulheres esperavam por Mayara. Esta, ao chegar, ficou surpresa.
― Não sabia que teríamos visita. – ela falou e deixou a bolsa em um armário, enquanto Leandro corria para abracá-la.
― Mamãe! – ele gritou e a apertou. – Essa moça é amiga do papai.
― Meu nome é Lívia. Muito prazer! – a loira se levantou e estendeu a mão.
― Por favor, vá embora. Não tenho nada para falar sobre o Joel. – Mayara passou com o filho no colo, pela sala.
― Pelo menos ouça o que tenho a dizer. Depois, prometo que a deixo em paz. – Lívia disse.
― Mãe, leve-o para o quarto. – Mayara disse para e entregou o filho para Dona Roseli. – Seja breve, trabalhei o dia inteiro e estou cansada. – ela disse e se sentou em um poltrona ao lado do sofá em que Lívia estava.
― Além de amiga, eu também sou advogada do seu marido. – a loira disse. – O Joel foi preso.
― Uma hora ia acontecer, eu sabia. – Mayara comentou.
― Ele está respondendo ao processo em liberdade. Haverá audiências e um julgamento para decidir o futuro do Joel. – Lívia disse.
― Nada mais justo. Vamos ver se assim ele aprende. Eu o avisei tanto. – Mayara disse. – Chega um ponto que a gente cansa.
― O seu testemunho seria importante e ajudaria muito o Joel.
― E por que eu faria isso? – Mayara devolveu. – Eu pedi para ele parar, disse que daríamos um jeito. Ele não quis me ouvir. Por que eu o ajudaria agora?
― Porque ele a ama, e muito. Você e o pequeno Leandro são as pessoas mais importantes para o Joel. – a loira disse.
― Não parece. – a morena continuou irredutível.
― Pensa em como vai ser ruim para o Leandro crescer com o pai na cadeia, ou sem ele. Você não pensa no seu filho?
― É só nele que eu penso. – Mayara respondeu e olhou feio para Lívia, que se arrependeu do que disse, mas então sua expressão se aliviou. – Sabe, apesar de todos os defeitos, uma coisa, devo admitir, o Joel sempre consegue fazer bons amigos. – ela disse e deu um sorriso cansado.
― Isso quer dizer que você vai ajudar o Joel? – Lívia perguntou com esperança.
― Isso quer dizer que vou pensar. – a morena respondeu.

3 comentários :

  1. A mulher sempre ajuda o marido desde que ele não a traia, porque se trair ela entrega até o que não sabe rsss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHAHAHAHAH! Temos aqui um homem de visão!

      Excluir
  2. "Se quiser nos responder, certifique-se de que não está sendo visto." Fiquei imaginando o Joel levando a bíblia pra o banheiro.

    ResponderExcluir